Linguagem usada em King Lear para mostrar a caracterização

William Shakespeare, Rei Lear

O uso da linguagem na definição da caracterização da peça; Rei Lear

Em Rei Lear de William Shakespeare, a caracterização dos traços pode ser observada pelo uso de sua linguagem. Tal uso da linguagem é como a aplicação de imagens, metáforas, símiles e outros tipos de linguagem figurativa no texto que possam retratar o traço dos personagens. A outra linguagem figurada consiste em paradoxo, personificação e hipérbole.

O uso de imagens em Rei Lear pode ser encontrado como característica animal que é aplicada no diálogo do personagem para se referir a outra pessoa ou para falar por si mesmo. Quando Lear disse “Não fique entre o Dragão e sua ira” (I, i, 121), ele pode ser lido como um homem arrogante com plena confiança. O uso do dragão como imagem mostra grande poder e maldade, pois o dragão é conhecido como o monstro mais poderoso do mito. Assim, imagina-se Lear como um homem capaz de causar imenso desastre.

Além disso, há também imagens de animais faladas por Fool, que lança uma observação sarcástica para Lear “A verdade é que um cachorro deve ser alojado; ele deve ser chicoteado quando o Brach da Senhora pode ficar perto do fogo e feder” (I, iv , 110 – 112), na verdade ele está se referindo ao Lady’s Brach às duas filhas mais velhas de Lear. Brach é uma cadela de caça que está associada à bajulação, enquanto o outro cão é chicoteado e deve pertencer ao seu canil, o brach fica perto do fogo. Eles realmente bajularam Lear até o ponto da tolice. Tolo está indicando que Goneril e Regan bajulam para ganhar sua parte da terra, enquanto Cordelia fala da verdade, mas é negada como filha.

No Ato 1, Lear amaldiçoou Goneril, “… ela pode sentir Quão mais afiado do que um dente de serpente é Ter um filho ingrato!…” (I, iv, 287 – 288). Lear amaldiçoou Goneril por ela não ter filhos e se não for, ela estaria presente com um filho que lhe dá fardo a vida toda. Com essa linha, Lear também quis dizer que Goneril é a criança ingrata e a causa que ela fez ao pai é muito mais dolorosa do que a mordida de uma serpente. A mordida de uma serpente pode matar de uma só vez, mas o que mais pode ser pior do que a morte, exceto a grande dor e sofrimento que se deve suportar, o que fez com que se desejasse a morte. É assim que Goneril está sendo retratado, causa de sofrimento pior que a própria morte.

Deste verso e do verso em que Lear repudia Cordélia “…Aqui renuncio todo meu cuidado paterno, Proximidade e propriedade de sangue, E como um estranho para meu coração e para mim…” (I, i, 111 – 114) mostrar que Lear é uma pessoa imprudente, um homem com muitas maldições na mão. Isso também pode indicar que Lear está passando por seu período de velhice, embora no final da peça ele ainda possa carregar o corpo de Cordélia, o que é uma conquista para um velho.

“…como um abutre…” (II, iv, 133), é o que Lear disse a Regan que sua irmã Goneril é como o pássaro feroz que se alimenta de carne. Lear está indicando a crueldade de Goneril sobre ele, que ele explicou como se Goneril se alimentasse do coração de Lear. Isso está apenas indicando que Goneril fez uma ação de banir Lear de seu castelo e faz com que o homem se sinta magoado com o ato malvado de sua filha. Esta linha também pode ser o uso de hipérbole no texto. Isso é exagerar no fato de Goneril se alimentar do coração de Lear.

Há também outra imagem de pássaro que explica o mesmo que o abutre. Lear identifica suas filhas como ‘filhas Pelican’ (III, iv, 76). Os filhotes de pelicano bicavam seus pais durante a alimentação e acredita-se que os filhotes atacam seu pai para se alimentar da carne e sangue de seu pai. De certa forma, isso explica a ação de Goneril e Regan em banir seu próprio pai depois de ganhar o que queriam dele. Eles o bicam com força, o que pode eventualmente levar à sua senilidade e em grau impotente.

Há também outra referência da característica das duas filhas mais velhas que é feita por Kent, “…Para suas filhas de coração de cachorro, essas coisas ferem sua mente venenosamente…”, (IV, iii, 45 – 46). Coração de cachorro é definido como impiedoso e a ação de picar é como uma abelha que pica veneno venenoso que poderia ser definido totalmente como filhas impiedosas que desejam causar o pior dano ao próprio pai.

Além do imaginário animal, há também outro imaginário envolvido na definição da caracterização dos personagens. Por exemplo, diz-se que Cordelia é “As jóias de nosso pai” (I, i, 267), indicando que ela tem sido a favorita dos três para Lear. Embora saibamos que Cordelia não gosta muito de palavras, podemos dizer que ela ganha o favoritismo de Lear por suas próprias ações que mostraram sua verdadeira sinceridade.

Gloucester usou as imagens da natureza e também imagens de animais que significam a crueldade de Regan e Cornwall. “… Presas de javali impetuosas. O mar, com tanta tempestade… ele ajuda os céus a chover. Se os lobos tivessem uivado em tua porta naquela hora…” (III, vii, 55 – 64) revela Regan e A brutalidade da Cornualha em relação a Gloucester. Sua violência é retratada como javali e lobos. Suas ações ao arrancar os olhos de Gloucester são selvagens como um mar tempestuoso. No entanto, Gloucester mostra sua crença ao poder astronômico e divino ao acreditar que o tratamento que enfrentou poderia até fazer o céu chorar.

Em Rei Lear, há também o uso do paradoxo no texto para mostrar a caracterização. Isso pode ser encontrado quando a França fez uma declaração sobre Cordelia “A mais bela Cordelia, que é mais rica sendo pobre; Mais escolhida, abandonada; e mais amada, desprezada!” (I, i, 249 – 250). A escolha de palavras da França mostra o oposto de cada ponto de Cordelia. Ela é mais rica em amor, mas é pobre em riqueza, ela tem mais escolha para escolher seu noivo, mas agora ela é abandonada e, ela era a mais amada por Lear, mas agora é desprezada por seu próprio pai.

O uso da metáfora em Rei Lear pode ser encontrado quando Cordelia encontra seu pai que ficou senil, “Coroado com fumiter e ervas daninhas de sulco, Com hardocks, cicutas, urtigas, flores de cuco …” (IV, iv, 3 – 5), explica o comportamento de Lear naquele momento. Ele foi coroado com flores amargas e venenosas como se refletisse as causas de sua insanidade. As ‘picadas’ venenosas e as experiências amargas que ele enfrentou causadas por suas outras duas filhas o levaram à loucura. Ele pode ter escolhido essas flores e ervas daninhas principalmente porque as achou relacionadas a seus sentimentos miseráveis.

Com a linguagem figurada utilizada nesta peça, mostra bem os traços de cada personagem. Além de torná-lo direto como Goneril aborda Fool como Fool totalmente licenciado, Shakespeare tornou mais visual e viveu plenamente as características. Pode-se ver os traços de forma diferente dos outros, mas no final da peça, ainda se concorda que Lear é o herói trágico, Cordelia como a filha amorosa, Goneril e Regan como as irmãs do mal.

Deixe um comentário