Celebrating the African Woman: A Multi-Functional Human Species

As mulheres são criaturas inteligentes encarregadas do dever celestial de servir de complemento aos homens. No entanto, devido ao seu ser distinto, muitas mulheres tiveram um desempenho excelente e foram além dos limites de suas tarefas celestiais designadas. Inúmeras mulheres ao redor do mundo são espécies humanas multifuncionais, desempenhando um papel duplo de deveres masculinos e femininos com sucessos excepcionais. A lista de tais mulheres inclui, entre outras, Madre Teresa, Florence Nightingale, Millicent Fawcett, Emmeline Pankhurst, Marie Curie, Emily Wilding Davison, Rosa Parks, Maya Angelou, Gloria Steinem, Margaret Thatcher, Oprah Winfrey, Emma Watson, Malala Yousafzai, Clara Barton, Edith Wharton, Dorothy Levitt, Funmilayo Ransome Kuti, Yaa Asantewaa, Winnie Mandela, Margaret Ekpo, Miriam Makeba, Queen Nkinga e Ruth Williams. Na África moderna, as mulheres trabalham e se posicionam firmemente em todas as áreas do desenvolvimento. Eles mostraram que merecem grande reconhecimento em pé de igualdade com os seus homólogos masculinos. Hoje, é empiricamente indiscutível que a igualdade de gênero é menos contestada porque as mulheres no passado e mais ainda, atualmente, mostraram por sua notável liderança e habilidades viáveis ​​que de fato o slogan é verdadeiro de que o que um homem pode fazer, uma mulher pode fazer e provavelmente pode até fazer melhor.

Infelizmente, em muitas partes da África, devido à mentalidade obscura de que as mulheres devem ser confinadas ao lar doméstico, os direitos das mulheres ainda são pisoteados. Os antigos sistemas tripartidos de pontos de vista consuetudinários, tradicionais e religiosos que minam a liberdade das mulheres de explorar seus potenciais para apoiar o desenvolvimento da África tornam difícil apagar completamente várias práticas discriminatórias em relação a elas. A desigualdade contra as mulheres em termos de educação e participação nas principais áreas de tomada de decisão do desenvolvimento é uma praga assombrosa para o continente africano. As estimativas indicam que três anos após a meta de 2015 das metas de desenvolvimento do segundo milênio de alcançar a educação universal, a matrícula feminina no ensino fundamental ainda está em 67%. É angustiante que casamentos arranjados e forçados de meninas ainda prevaleçam em muitas comunidades locais na África. Devido à pobreza, muitas dessas jovens débeis são trocadas por dinheiro nessas uniões conjugais prematuras e coagidas. Os governos africanos devem fazer grandes esforços para estabelecer e fazer cumprir toda a legislação contra casamentos infantis e todas as formas de tratamentos desumanos e degradantes contra as mulheres! Os ativistas e agências de direitos humanos devem intensificar seus esforços na campanha de sensibilização e conscientização para a igualdade de direitos para as mulheres. A educação massiva deve ser buscada pelos ministérios de gênero, assuntos de mulheres e crianças, bem como ministérios e agências de direitos cívicos para esclarecer os pais, especialmente os pais analfabetos sobre a necessidade de mudar suas percepções errôneas em relação à educação das meninas.

Enquanto a teoria do feminismo está sendo colocada em realidade hoje em muitas sociedades em todo o mundo, a África ainda está mergulhada na escuridão em relação à necessidade de aumentar a participação das mulheres em áreas-chave de desenvolvimento. Concedido, tem havido muitos esforços gigantes a este respeito, já que algumas mulheres foram contra todas as probabilidades para se aproximar de seus colegas homens em áreas anteriormente proibidas, como nas Forças Armadas, Política, Educação e muitos outros campos. Hoje, a voz e a influência das mulheres são sentidas em todos os campos do desenvolvimento. É desanimador que os papéis das mulheres muitas vezes não sejam reconhecidos, avaliados e recompensados. É hora de os líderes e agências africanas aumentarem os esforços para conceder privilégios e ofertas às mulheres para entrar em todos os estreitos túneis do desenvolvimento. Este curso deve ser seguido com toda a seriedade e urgência porque as mulheres são e continuarão a ser excelentes exemplos de trabalho árduo e diligência no trabalho e responsabilidade. Os primeiros engenheiros pré-históricos que datam de três milhões de anos atrás foram empiricamente descobertos como mulheres. As mulheres são conhecidas por realizar várias tarefas e alcançar maiores sucessos. Internamente, elas desempenham papéis como esposas, mães, consoladoras, cozinheiras, trabalhadoras em casa. Profissionalmente, eles desempenham diversos papéis em economia, política, educação, segurança, agricultura, saúde e outras áreas relevantes de desenvolvimento. Podemos dizer com certeza que, se as mulheres tiverem oportunidades iguais às dos homens, elas podem ter um desempenho digno tanto quantitativa quanto qualitativamente, como seu histórico demonstrou.

As mulheres africanas são gênios e devem ser valorizadas como tal. Seus grandes papéis nas comunidades africanas em nosso desenvolvimento pessoal e social são incomparáveis. Sua enorme presença não pode ser preenchida por nenhum homem. Celebremos a mulher africana em palavras e em atos. Encorajemos e elogiemos todas as trabalhadoras africanas para motivá-las a continuar desempenhando seus papéis indispensáveis ​​que fizeram da África um farol a ser contemplado. De fato, a mulher africana é uma jóia valiosa de beleza e responsabilidade, uma espécie humana multifacetada!

Deixe um comentário